segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Um carro a menos.... COMO?????



Políticas para a preservação da Água&Floresta - Ivy


Amanhã começo uma verdadeira MARATONA de viagens. Bauru-SP-Brasília-SP-Iguape-Ilha Comprida-SP-Campinas-Socorro-SP-Bauru (UFA!!!!!!). Fora o cansaço que me invade só de pensar em todo esse trajeto e o "banzo*" que já sinto da minha casinha, uma questão está tomando os meus pensamentos...... qual o impacto ambiental desta quinzena tão agitada?????


Tenho dois outros motivos para pensar nesse tema. O primeiro foi o atropelamento recente, ocorrido na Avenida Paulista, de Márcia Regina de Andrade Prado, 40 anos, participante de grupos de defesa dos ciclistas na megalópole São Paulo e grande ativista da difusão da idéia de que não faltam ciclovias, mas sim consciência de que OS CICLISTAS EXISTEM! Sobre o assunto, digitem no Google "atropelamento + ciclista + avenida + paulista" e encontrarão dezenas de notícias. Para mim, a abordagem mais interessante é a da Central de Mídia Independente (http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2009/01/437827.shtml), espaço alternativo que publica versões mais distantes do status quo dos grandes jornais e veículos eletrônicos. Em outros veículos de comunicação, é interessante notar o destaque à informação sobre trechos da pista estarem interditados, logicamente algo voltado àqueles que têm carro!


O segundo fato que me deixou pensativa foi pesquisa divulgada semana passada que demonstrou o alto número de veículos em Bauru, cidade onde moro. Com 350.000 habitantes, Bauru já tem 1 carro para cada 2 pessoas!!!!!!! Para saber mais, acesse http://www.jcnet.com.br/busca/busca_detalhe2009.php?codigo=148626 e pense no absurdo que é isso! Transporte coletivo? Moto-taxi?Bicicleta?Caminhada? Na verdade, numa cidade como a que vivemos todas as alternativas anteriores, inclusive os carros, estão sob o caos! A engenharia de trânsito (ou tráfego? Ou dá igual?) parece não favorecer a mobilidade de nenhuma forma. O mais interessante é perceber que se trata de um problema generalizado, que só piorou depois de Ford....


Voltando à minha maratona, nesse percurso lançarei muito carbono na atmosfera usando avião, táxi e ônibus. Perderei MUITAS horas em todo o trajeto, só em baldeações, esperas, distâncias.... nesse mundo moderno, onde as pessoas facilmente chegam a lugares antes não tão usuais, nossa necessidade de deslocamento cresceu muito, mas nossa mobilidade só tem diminuído... Admiro as pessoas que estão tentando mudar essa realidade, através de seus manifestos, suas ações de mobilização e suas atitudes. Alguns já perderam a vida defendendo essa idéia, que pode poupar muita Água&Floresta!


Fica para nós o exemplo da Márcia... na foto disponível na matéria da Central de Mídia Independente, ela veste uma camiseta com a imagem que coloquei aí em cima (a imagem está no blog http://www.pedalante.blogspot.com/) . Pense nisso, a dependência dos veículos automotores individuais pode ser reduzida gradativamente, e não dói. Se cada um de nós fizer um pouquinho, podemos mudar a nossa realidade, mesmo que seja de maneira sutil.... É óbvio que o tema não pode ser tratado de maneira tão superficial como coloquei aqui neste post, mas minha proposta é estimular a reflexão de cada um, podendo iniciar uma discussão em forma de comentários.


Um carro a menos, com a ajuda de todos!


*Banzo: palavra que define um sentimento de nostalgia por um lugar ou pessoa, empregado para explicar a saudade que os escravos sentiam de suas origens.

Um comentário:

Fernanda disse...

Muito legal, chefa!!!
E não poderia esperar idéias diferentes destas vindo de quem comprou uma motoquinha e nunca usou, hehehehehe!!!
Até já tive um carro, lembra? (hahahaha) mas cada vez mais me convenso de que não precisamos tanto assim deles...
Agora, na Ilha Comprida, já estou atras de uma bike!!!

Bjs, Fer