segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Sangue nas veias!!!!

Políticas para a preservação da Água e Floresta – Ivy

Trabalhar é uma tarefa do capitalismo. Precisamos trabalhar para sobrevivermos, ganharmos dinheiro, adquirirmos patrimônio, termos status, pagarmos contas, enfim.... Mas podemos trabalhar também tendo PRAZER!

Nessa luta pela preservação da Água&Floresta muitos de nós colocam o melhor de si em suas atividades, buscando resultados que beneficiem a coletividade e, principalmente, a nossa mãe Gaia! E isso é como um combustível, não é uma tarefa de troca do esforço físico e mental pelo dinheiro, mas sim a troca de esforços pela VIDA!

Digo isso porque quando falamos nas políticas de preservação é fácil vir à cabeça um pensamento burocrático, homens de terno, mulheres em taller, enfim, uma coisa chata, cinza e cansativa. Não é nada disso!!!!! As políticas devem ser discutidas e pensadas junto aos que vivem da Água&Floresta. Devem estar sintonizadas com as pesquisas científicas que rolam aos montes nas universidades. Devem considerar aqueles que não têm voz, mas que se manifestam, como as plantas e os animais. Devem estar dentro das regras criadas pelos Homens, e, caso se verifique que as leis estão ultrapassadas, elas devem ser mudadas!

ALEGRIA, ALEGRIA!!!! A Água&Floresta precisa de pensamentos, idéias e palavras suaves e doces! Sem burocracia, sem cara de “que saco!”, com um TRABALHO prazeroso e transformador!!!!!

Para compartilhar com vocês um pouco da obra de um poeta local, Élson Teixeira Cardoso, registro aqui uma de suas últimas poesias, a qual ele gentilmente dedicou a mim! Foi pensando nela que escrevi meu texto de hoje, e lendo vocês perceberão sobre o que estou falando! Sangue nas veias e o cuidado no coração!

Até a próxima!!!!

SANGUE DA TERRA

(Para Ivy Wiens)

O ar é o sangue da Terra,
A vida flutuando nas veias da esfera Azul.
O ar é a preciosidade invisível
Que umedece a respiração,
O renovo do homem,
A dilatação do tempo,
O sol gotejando luz,
As nuvens lacrimejando alegrias.
A água é o sangue da Terra,
A vida borbulhando nas veias de oceanos
Descomunais.
A água é o alimento do homem,
A pedra derretida no caminho,
O germinar em minas-rios-lagos-lagoas-mares,
A evaporação que renasce em chuvas.
O homem é o sangue da Terra,
O elo entre o ar e a água,
A Terra personificada no corpo,
A luz que modela o invisível e o transparente,
O guardião da natureza,
A inteligência que paira sobre a fauna e a flora,
Coexistindo no ambiente coletivo.

Um comentário:

Elson Teixeira Cardoso disse...

Que legal: poesia dialogando com ambientalismo. O que seria da literatura, das palavras, das descrições, se não fosse a natureza, e o homem existindo nela? Tudo seria um borrão, um deserto, um caos.
Gostei muito.